Existem uma infinidade de fibras têxteis, que são aplicadas a diversos produtos que utilizamos em nosso dia a dia, engana-se quem acredita que as fibras têxteis são usadas apenas para a fabricação de roupas e outros artigos têxteis. 

As fibras têxteis podem ser obtidas de forma natural (de origem vegetal, animal ou mineral ), ou através de processos químicos ( artificiais ou sintéticos ), portanto, são divididas em fibras naturais e químicas, observe a imagem abaixo com as principais fibras existentes de acordo com a sua origem principal.  

Fibras Têxteis
Fibras Têxteis

Mas porque é tão importante conhecermos as fibras têxteis?

Esta imagem nos dá um panorama da quantidade de fibras existentes, mas estas são as principais, existem outras e os estudos para desenvolvimento de novas fibras é constante, sempre com objetivo me melhorar características, atender alguma demanda, ou pelo fator sustentável, afinal, muitas destas fibras agridem o meio ambiente tanto em seu processo de produção, quanto após ser descartada na natureza de forma errada. Falaremos muito sobre sustentabilidade por aqui, porém, neste momento vamos apenas apresentar as fibras têxteis.

A maioria das pessoas conhecem apenas as mais utilizadas, como algodão, linho, seda, lã, poliamida e poliéster.

Conhecer cada uma, e como elas se originam fará toda a diferença no modo como nos portamos como consumidores. Através deste conhecimento, poderemos saber o porquê de fibras como a lã e a seda serem consideradas nobres  e caras, e que  a maior parte de roupas que temos e pensamos ler lã, na verdade é acrílico ou poliéster, ou até mesmo porque  a poliamida é melhor que o poliéster, ou ainda o porquê de estarmos perdendo a oportunidade de usar mais o cânhamo, que é uma fibra muito sustentável e melhor que o algodão em diversos aspectos, bem como diversos outros fatores interessantes e curiosos sobre produtos têxteis.

Como o tema é extenso, vamos apresentar aqui as principais fibras e algumas de suas características, e faremos posteriormente outros artigos específicos com cada uma das principais fibras. E pra não ficar muito cansativo, dividimos o artigo em duas partes: Fibras naturais e Fibras químicas.

Como já puderam observar na imagem do início do artigo, as fibras naturais são as de origem vegetal, animal e mineral, ou seja, já existem na natureza, o que o homem faz é cultivar ou extrair para obter a fibra e posteriormente transforma-la em fio, e usar o fio para construir tecidos ou malhas, e estes serão a base para nossas roupas e outros artigos têxteis.

Mas não se engane, lembre-se que é um processo produtivo imenso e que envolve muitas áreas do conhecimento e muitas pessoas, e mesmo sendo de origem natural, a maior parte destes processos agridem significativamente o meio em que vivemos, como por exemplo, o  processo produtivo do algodão convencional, que é a fibra natural mais utilizada no mundo, ao mesmo passo que possui um dos processos mais poluentes para sua obtenção.

Veja nosso artigo sobre materiais têxteis e conheça um pouco sobre a cadeia têxtil e seus processos.

 

FIBRAS TÊXTEIS NATURAIS VEGETAIS

As fibras têxteis naturais de origem vegetal mais conhecidas são: o algodão, o cânhamo e o linho, que são as mais utilizadas para a fabricação de roupas devido ao conforto que proporcionam, e o sisal, o rami, e juta que são mais empregas em artigos têxteis como tapeçaria, sacarias, cordas, linhas e outros, já que possuem um aspecto menos confortável ao toque com a nossa pele.  

 

ALGODÃO

Fibras Têxteis naturais
Algodão
Fibras Têxteis naturais
colheita do algodão
Fibras Têxteis naturais
Fardo de algodão

O algodão ( Cotton ) é a fibra natural mais utilizada no mundo, podemos encontra-la pura nos tecidos, ou misturada a outras fibras naturais ou químicas. É uma fibra com grande capacidade de absorção de água e umidade, e também é um bom isolante térmico, portanto é uma fibra perfeita para quem procura conforto ao se vestir.

O algodão colorido foi desenvolvido pelos Incas em 4500 A.C, bem como outros povos das Américas, África e Austrália. Em 1989 a Embrapa Algodão iniciou o trabalho de melhoramento genético, com o objetivo de elevar a resistência, finura, comprimento, uniformidade e cores da fibra. Este algodão é uma alternativa para a produção de uma cultura mais sustentável, uma vez que já nasce colorido. Porém, as cores são tons de cremes, marrons, vermelhos e verdes claros.

O algodão Egípcio é o algodão que possui a fibra mais longa do mundo, resultando em tecidos super  macios e duráveis. É o mais sofisticado e o mais desejado. Existe também o algodão Pima que é um algodão de fibra longa encontrado apenas no Peru, tão nobre quanto o egípcio.

Algodão Convencional x Algodão Orgânico:

O algodão Convencional é cultivado com adubos, fungicidas, inseticidas e produtos contra ervas daninhas que contaminam o solo e a água, além de prejudicar  a saúde da comunidade ao redor das plantações.

O algodão Orgânico é produzido de forma diferente e não prejudica a saúde do trabalhador e nem o meio ambiente, porém, é necessário ter uma certificação para poder vendê-lo como algodão orgânico, e obter este certificado não é muito fácil para os pequenos agricultores. Em virtude disso, surgiu o algodão Agroecológico, que na verdade é o algodão Orgânico que não possui certificação ( Por falta de recursos ou porque o comprador não exige o selo de certificação ) que vem ganhando mercado no Brasil com incentivo de diversas ONGs, cooperativas e algumas empresas estrangeiras.

Vantagens do algodão: Abundância, preço acessível, resistência, biodegradável, toque macio e sustentável  no caso do algodão orgânico .

Desvantagens do algodão: Amarrotamento, demora para secar, proliferação de micro organismos, prejuízos ao meio ambiente devido aos químicos utilizados no cultivo do algodão convencional.

 

LINHO

Fibras naturais
Linho

Uma das fibras têxteis mais antigas, o linho, já era utilizado por alguns povos pré-históricos e pelos Egípcios. Poucos séculos antes da era cristã, os Fenícios comercializaram o linho produzido no Egito, que era de altíssima qualidade, e posteriormente difundido pelos romanos, propagou-se e passou a ser cultivado em muitas partes do mundo.

A colheita é feita por processo manual, e da planta do linho além da fibra obtemos a linhaça. É uma fibra considerada nobre, é biodegradável, possui bom conforto térmico, pode ser lavado a seco e é resistente.

Porém, o preço costuma ser alto, é atacado por micro organismos como qualquer fibra natural vegetal, e possui um auto grau de amarrotamento, só quem já teve ou tem uma roupa 100% linho, sabe  a dificuldade que é tentar passar esta roupa.

 

CÂNHAMO

Fibras Têxteis naturais
Cânhamo industrial

O cânhamo ( hemp ) é uma das fibras naturais mais fortes existentes, é mais forte que o linho, e duas vezes mais resistente que o algodão. É uma das fibras mais produtivas por hectare, duas vezes mais em relação ao algodão e 6 vezes mais em relação ao linho, e tudo isso  usando menos água. Não necessita de herbicidas e nem agrotóxicos como o algodão convencional.  

É uma fibra altamente sustentável, pois além da produção de tecidos, a planta também pode ser utilizada na fabricação de cordas grossas, cordéis, estopas, calçados e acessórios, combustível, concreto, papel, plástico, sabão, cosméticos, remédios, alimentação e outros.

A fibra do cânhamo e a maconha são produtos diferentes obtidos de espécies diferentes da mesma planta,  a cannabis sativa.

Do caule do cânhamo industrial, que é uma planta mais longa, extrai-se a fibra de cor cinzenta, parda ou esverdeada, que serve para a fabricação de tecidos resistentes, finos ou rústicos, assim como cordas, estopas, calçados e outros. O cânhamo industrial possui pouquíssimo teor de tetrahidrocanabinol ou THC (princípio psicoativo da cannabis).

De outra variedade da planta, a Cannabis sativa, obtém-se a maconha, de onde se extrai a resina denominada haxixe, tanto a planta quanto o óleo retirada dela são ambos entorpecentes. E por causa do efeito entorpecente desta variedade da planta, e os males que isso pode causar, a maconha é considerada uma droga e o cânhamo é uma fibra discriminada na maioria dos países, inclusive no Brasil.

Este vídeo explica bem esta questão e nos ajuda  a entender melhor sobre a diferença entre as plantas: 

Um hectare de cânhamo produz cinco vezes mais papel que o mesmo hectare plantado com árvores, além de ser colhido depois de cinco meses, enquanto as árvores demoram até 2 anos. E o óleo de cânhamo tem proteção natural contra os raios UV. As sementes possuem tanta proteína quanto às da soja, e é mais bem digerida pelo organismo humano.

Mesmo sendo uma planta com diversas aplicações, e uma opção de fibra mais sustentável que o algodão, em virtude das confusões em relação as espécies da cannabis, o cultivo do cânhamo é proibido no Brasil, entretanto, o tecido 100% cânhamo pode ser exportado e usado normalmente para a fabricação de roupas.

 

RAMI

Fibras Têxteis naturais
Tecidos de Rami
Fibras Têxteis naturais
Fios de Rami

O rami é uma fibra utilizada na produção de tecidos finos para vestuário, artigos de decoração, cordas, barbantes e em substituição ao linho na fabricação de tecidos finos, cortinas, linhas, acessórios, toalhas, e guarnições de mesa.

Vantagens: Alta resistência, é biodegradável, possui alta produtividade e pode ser lavado a seco.

Desvantagens: Dificuldade no beneficiamento ( tingimento e estamparia ), alto grau de amarrotamento, toque menos agradável e proliferação de micro-organismos.

 

JUTA

Fibras Têxteis naturais
Tecido de Juta

 

A juta é uma fibra barata, encontrada em grande quantidade e menos flexível que o cânhamo e o linho. É usada na produção de telas, cordas, lonas, sacos, carpetes, forração de tapetes, cortinas, entretelas, solas de alpargatas e reforço de capas de livros.

O processo de obtenção da fibra é totalmente manual, empregando centenas de pessoas.  É uma das principais atividades econômicas das populações ribeirinhas da Amazônia.

Vantagens: Cultura auto sustentável, biodegradável, preço baixo, abundância,  e higroscopia ( capacidade de absorção de umidade ).

Desvantagens: Toque áspero, baixa resistência e proliferação de micro-organismos.

 

SISAL

Fibras Têxteis naturais
Tapete de cordas de Sisal

O Sisal (Agave sisalana) é uma planta originária do México e foi trazido ao Brasil por volta de 1903, e somente a partir do final da década de 1930, o Sisal passou a ser visto como uma alternativa econômica.

A planta foi introduzida nos estados da Paraíba, Bahia e Rio Grande do Norte, em virtude das condições climáticas propícias, que requer clima quente, grande luminosidade e é adaptada a regiões semiáridas, por ser altamente resistente a estiagens prolongadas.

As folhas do Sisal produzem uma fibra altamente resistente que é utilizada para produzir artesanatos, vassouras, sacos, bolsas, chapéus, barbantes, cordas, tapetes, bem como na indústria automotiva, de móveis, de eletrodomésticos, de Biomantas (proteção de encostas, na agricultura e revestimento de estradas), na mistura com polipropileno, em substituição à fibra de vidro (composição de objetos plásticos) e na construção civil.

Utilizada também na fabricação de celulose para a produção de papel Kraft (de alta resistência) e outros tipos de papeis finos (para cigarro, filtro, papel dielétrico, absorvente higiênico, fralda etc).

Vantagens: Não utiliza agrotóxicos no cultivo, é biodegradável, cultura removível, e possui boa afinidade com corantes.       

Desvantagens: Pouca elasticidade, não serve para o vestuário, é atacada por micro-organismos.

 

FIBRAS TÊXTEIS NATURAIS ANIMAIS  

As fibras naturais de origem animais são a lã e seda.  São consideradas fibras nobres, por serem das mais antigas utilizadas pelos homens, e caras, já que exigem a criação de alguns animais para a sua obtenção.

Fibras Têxteis naturais
Ovelhas

Fibras Têxteis naturais

A lã é uma fibra animal obtida do pelo geralmente macio e crespo de mamíferos herbívoros como a ovelha, o carneiro, a alpaca, a vicunha, a lhama, o camelo, e as cabras Mohair e Cashmere.

Com os fios dessas fibras fabrica-se o tecido. As fases de fabricação são a tosquia (corte do pelo animal), a lavagem, a cardagem e a penteagem.

A lã é uma fibra macia e ondulada que é obtida principalmente das ovelhas domésticas. Tem uma elasticidade natural e uma resistência maior que outras fibras naturais, é confortável, e um excelente isolante térmico.

A qualidade da lã pode ser definida por vários fatores, em especial a raça, várias raças foram desenvolvidas para a produção de lãs com diferentes qualidades.

Lãs Merino, lãs Mohair e lãs Cashmere são consideradas as lãs mais refinadas, leves, sedosas e que não “pinicam” o corpo.

A lã fria é um tipo de lã com conforto térmico, não é propriamente uma fibra para o inverno, e quanto mais fina a fibra for, mais ela poderá ser usada em dias mais quentes, pois é uma fibra super fina, utilizada para fazer tecidos para serem usados em outras estações do ano.

A Extração das fibras da lã é obtida através da tosa dos animais que normalmente é feita uma vez ao ano. A habilidade do tosador se revela não apenas na velocidade e no cuidado de não ferir o animal, mais também na obtenção do velo inteiro, de modo que se possa então dividi-lo de acordo com a região do corpo que foi retirado.

Fibras Têxteis naturais

Vantagens: Tecido nobre, biodegradável, conforto térmico e pode ser lavado a seco

Desvantagens: Preço alto, encolhimento progressivo, pouca estabilidade dimensional, eletricidade estática, toque (reações alérgicas), e proliferação de micro organismos.

 

SEDA

Fibras Têxteis naturais

A seda é a fibra mais nobre e uma das mais caras, é produzida a partir da lagarta Bombyx mori, popularmente conhecida como “bicho da seda”. A fibra da seda natural é um filamento contínuo de proteína composto de duas partes: a fibroína e a sericina. A fibroína representa 75 a 90% da fibra e a sericina, de 10 a 25%.

A descoberta da seda  data de aproximadamente 2.600 anos AC. Quando os chineses descobriram que se podia fabricar  com ela um tecido a acharam um meio de extraí-la dos animais que a produziam. Os chineses guardaram seus conhecimentos por mais de 3000 anos e a vendiam para o mundo todo. A seda era transportada por terra, atravessando o Himalaia, a Índia e a Pérsia, até chegar à Turquia, Grécia e Roma, num percurso conhecido como rota da seda.

Como se forma o fio da seda?

FIBRA TÊXTIL NATURAL SEDA
“Bicho da seda”

A larva do bombyx mori, que ao nascer é de cor escura, sofre diversas mudanças, quando aumenta de tamanho e adquire progressivamente um tom claro. Seu alimento são as folhas de amoreira, as lagartas devoram quilos das folhas durante seus 25 dias de vida até se transformar em mariposa.

Quando nasce, a lagarta não pesa mais que uma décima parte de um miligrama. Na fase adulta, com um comprimento de 8 cm, ela pesa 10 gramas e transforma-se em crisálida. Na idade adulta, ela deixa de alimentar-se e se dispõe a fiar. Começa então a formar seu casulo, passando a secretar um longo e contínuo filamento.

Secreções líquidas produzidas por duas grandes glândulas situadas no interior do inseto endurecem em contato com o ar e formam dois filamentos idênticos, compostos de uma substância proteica denominada fibroína. Um segundo par de glândulas produz a sericina, resina que une dois filamentos num só e com resistência superior ao algodão.

A lagarta perde cerca de 50% de seu peso entre o início e o fim do processo. Ela demora de 3 a 5 dias para terminar o casulo e nele fica encerrada e completamente invisível, o casulo é uma bonita bola de seda, resistente ao tato, em forma de ovo e normalmente branco ou amarelo.

Surge então a mariposa, de cor esbranquiçada, que perfura a parede do casulo e sai. Fora do casulo, a fêmea é fecundada pelo macho e mais tarde deposita cerca de 400 a 500 ovos iniciando o ciclo.

Mas, como esta não é uma história de contos de fada, o casulo perfurado não tem valor comercial, em virtude da ruptura dos fios, então nas fábricas, antes que a mariposa saia, a crisálida é morta por meio de ar quente. São permitas sair do casulo apenas aquelas reservadas para a postura de ovos e continuação do processo. Faz-se a colheita dos casulos de 8 a 10 dias depois de prontos e os mesmos são enviados para a fiação. Cada casulo pode chegar a até 3 km de fios.

Vantagens: Tecido nobre, biodegradável, brilho natural, toque macio e pode ser lavado a seco.

Desvantagens: Preço alto, pouca estabilidade dimensional, eletricidade estática, proliferação de micro-organismos e dificuldade de costurabilidade.

 

FIBRA TÊXTIL MINERAL

O amianto, também chamado asbesto, é constituído por diversos minerais fibrosos pertencentes ao grupo dos silicatos.

Fibras Têxteis naturais

Sua estrutura permite a obtenção de fibras com propriedades físicas como: flexibilidade, resistência ao calor, e a ataques ácidos, bem como elevada capacidade de isolamento térmico e elétrico que as tornam aplicáveis em diversas situações.

O amianto era empregado principalmente como matéria prima na fabricação de tecidos incombustíveis e isolantes e como componente de materiais isolantes usados na construção civil.

O uso de fibras de amianto, entretanto, teve uma queda significativa desde a década de 60, quando estudos científicos confirmaram os efeitos cancerígenos desse material, principalmente no aparelho respiratório, e já é proibido em diversos países.

Foi substituído por fibras de poliamida aromática (aramida) desenvolvidas pela Du Pont, denominada NOMEX.

 

No próximo artigo falaremos sobre as fibras químicas e ficará mais fácil compreender o mundo das fibras têxteis, e como poderemos usar estas informações a nosso favor, na hora de comprar ou conservar nossos produtos e até mesmo considerar o aspecto sustentável e ser um consumidor consciente. 

Saber como as fibras têxteis naturais são obtidas, bem como algumas de suas particularidades é algo no mínimo interessante. E você, já conhecia todas as fibras? Conte pra nós! 

_________________________________________________

Rerências:

*Tecidos – Dinah Bueno Pezzolo

*Guia Prático dos Tecidos – Maria H. Daniel

*Tecnologia dos Processos Têxteis – Senai

*Moda e Sustentabilidade – Lilyan Berlim

www.embrapa.br

 

Deixe um comentário.